sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

PASTOR JOSÉ FERREIRA DA SILVA, A OBRA MISSIONÁRIA PARA SEUS PRÓPRIOS CONTERRÂNEOS EM PERNAMBUCO.




Pastor José Ferreira da Silva, um pernambucano nascido em Timbaúba, mata norte do Estado. Na juventude mudou-se para a capital(RECIFE) onde em busca de oportunidade, primeiro serviu ao Exército. Foi destacado para ser ‘sapador’ de minas nas Forças Armadas (SUA ATRIBUIÇÃO ERA SEGUIR À FRENTE DA TROPA PARA DETECTAR surpresas desagradáveis de algum artefato sucumbido na terra por supostos inimigos. Era um treinamento em terra pra valer para uma possível guerra o que em sua época, a década de 50 não houve necessidade do desafio bélico).



Daí, Ferreirinha, muito jovem, converteu-se ao Evangelho.  Entre a sua saída para a reserva do Exército, casou-se aos 21 anos de idade com  Alcina Aquino, com quem gerou 12 filhos,  uma única união de onde saiu para  a chamada celestial. Daí , sua posterior chamada para o diaconato e residência como zelador do templo matriz da Encruzilhada, tradicional bairro  do Recife. Não durou muito tempo, e, consagrado Presbítero foi enviado ao Agreste assumindo a direção da Assembleia de Deus, presidida a sua Convenção  em todo o estado nesse período  pelo saudoso e combativo pastor José Amaro. Ferreirinha deveria seguir urgente para  Águas Belas, município ocupado por sua maioria de indígenas da Tribo Fulni-ô. Era sua primeira tarefa missionária num lugar  onde imperava a violência e o analfabetismo. Ali o Evangelho prevaleceu.  A cidade conhecia a cidadania  da cruz. Dalí, JOSÉ FERREIRA DA SILVA, outra vez precisava partir pois a Seara pedia obreiros para os limites de Araripina, sertão pernambucano em terra gesseira e carente das Boas Novas.  Ferreira ali foi designado para romper as caatingas com a mensagem que promoveu profundas mudanças em serras do Araripe pernambucano.
Chegava o ano de 1974, novamente, a Obra Missionária em solo pernambucano chamava José para  Petrolina, município que já testava  sua irrigação em solo do Bebedouro e que tornou-se principal locomotiva da prosperidade econômica  do lugar, promovendo emprego e riqueza para o sertão. E mais que isso precisava promover o REINO DE DEUS em solo frequentado pela seca, pela fome de pão e da palavra libertadora de Jesus. Assim, JOSÉ FERREIRA DA SILVA, desbravou esta terra, coordenando as ações de Evangelista para Afrânio, Dormentes, Lagoa Grande e santa Maria da Boa Vista auxiliado por  uma reduzida dezena de  auxiliares, obreiros, alguns deles ainda por aqui. Ungido Pastor já sob a orientação do pastor presidente, JOSÉ LEONCIO DA SILVA, a quem chamava de Pastor LUCAS, este servo de Deus,  com as ferramentas da oração e da doutrina sem concessão ao erro, abriu dezenas de trabalhos da Assembleia de Deus de Pernambuco e sua Convenção Geral em abençoada evangelização, sincronizada e inspirada pelo Espírito de Deus. José Ferreira imaginou muitos templos , instalou os chamados ‘grupos familiares e discipulado, estimulando com muito rigor a  ESCOLA DOMINICAL, berço da formação cristã genuína das Assembleias de Deus no Brasil. Contudo, lhe incomodava o sonho de um templo maior que coubesse  as já milhares de ovelhas em Petrolina. Este sonho está aqui hoje, no chão desta praça sob o olhar  compassivo e justo de JESUS.  O templo que lhe obrigou a tanto jejum e oração, está aqui com a beleza sublime deste ornamento público numa homenagem mais que justa ao  missionário  caatingueiro, JOSE FERREIRA DA SILVA.


 Em 1987 foi designado para Caruaru, agreste deste estado. Após uma complicada cirurgia que lhe provocou múltipla falência de órgãos, sua chamada  definitiva para um Reino que não é deste mundo, um chamamento de um justo que viveu só  para Jesus. quando pastoreava a AD em em Caruaru, em 1996.


Fotos acervo pessoal da família Aquino.
Pastor José Ferreira na época de soldado
Pastor José Ferreira e esposa Ir. Alcina
Igreja Assembleia de Deus Petrolina - Matriz

7 comentários:

  1. Pra mim é uma grande honra poder conhecer mais um pouco deste grande homem de Deus.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Parabéns jornalista Marcelo Damasceno, pelo belíssimo texto. Não podemos deixar de honrar a memória
    deste grande servo de Deus,que durante a sua peregrinação aqui terra, (pois somos peregrinos e forasteiro Hb 11:13) enfretou grandes perseguições por causa do Evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo,mas como diz o apóstolo Paulo:...acabou a carreira e guardou a fé. Toda honra e toda Glória sejam dadas a Deus por nos permitir ser educado por este homem de Deus.

    Ev. Josadarque de Aquino Ferreira

    ResponderExcluir
  4. Parabéns jornalista Marcelo Damasceno, pelo belíssimo texto. Não podemos deixar de honrar a memória
    deste grande servo de Deus,que durante a sua peregrinação aqui terra, (pois somos peregrinos e forasteiro Hb 11:13) enfretou grandes perseguições por causa do Evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo,mas como diz o apóstolo Paulo:...acabou a carreira e guardou a fé. Toda honra e toda Glória sejam dadas a Deus por nos permitir ser educado por este homem de Deus.

    Ev. Josadarque de Aquino Ferreira

    ResponderExcluir
  5. É muito inspirador, conhecer histórias de evangelistas missionários que dedicaram-se a pescar homens para o reino de Deus. Glória e louvor a Deus por esta obra realizada através deste pastor que deixou redes lotadas pela fé em Jesus Cristo.
    Parabéns! Marcelo Damasceno.

    ResponderExcluir
  6. Guardo no coração os ensinamentos deste grande homen de Deus.

    Ivonete Soares Cavalcanti

    ResponderExcluir
  7. Parabéns pela obra.
    Um pastor, amigo e pai.
    Eternas Saudades.

    ResponderExcluir